Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2015

Sobre Facebook que deprime e plataforma digital que cura

Imagem
O uso das tecnologias, com seus computadores, smartphones, tablets e atrativos apps, games, redes sociais etc é uma realidade. Para o bem ou para o mal, ninguém escapa.

Exemplos são dois fatos divulgados recentemente. Um deles, apresentado por pesquisadores da Universidade de Houston associa o uso do popular Facebook a sintomas depressivos. O outro é o anúncio do lançamento de uma plataforma digital para combate à depressão, em Portugal. São movimentações interessantes num ambiente geral no qual, segundo estudo apresentado na “Heart Failure 2015”, o maior evento da Associação de Insuficiência Cardíaca de Espanha, a depressão de moderada a grave está associada ao risco até cinco vezes superior de morte por qualquer causa em doentes cardíacos.
No caso do Facebook, o principal problema identificado pelos pesquisadores é o fato de as pessoas ficarem deprimidas ao se compararem com outras. Ou seja, ao verem as postagens sobre as atividades que outros fazem e elas não. Foram feitos dois es…

Violência contra mulher é resultado de machismo, não de natureza masculina

Imagem
O estudioso americano Matthew Gutmann defende o estudo de masculinidades para se acabar com a desigualdade de gênero e machismo por Tatiana Merlino - Le Monde Diplomatique
Mulher segura protesta contra o machismo durante a Marcha Mundial das Mulheres de 2014  “O comportamento masculino é determinado pela biologia”. “A natureza do homem é violenta, sexual, instintiva e difícil de ser controlada”. Essas são algumas explicações usadas para justificar posturas machistas e violentas por parte dos homens e que são desconstruídas por Matthew Guttmann, antropólogo especialista em masculinidades da Universidade Brown, dos Estados Unidos.
Em recente visita ao Brasil, Guttmann participou do I Seminário Internacional Cultura da Violência contra as Mulheres, ocorrido entre 20 e 21 de maio, em São Paulo e organizado pelo Instituto Patrícia GalvãoInstituto Vladimir Herzog.
Mas não são todos os homens que violam, que batem. Se é algo biológico, por que há tantos homens que não violam?”, questiona o ant…

Somos todos violentos - João Paulo Cunha

Imagem
O maior dano dessa mitologia é jogar o desvio e o erro, toda a ação violenta, para o outro

A violência é um problema nosso, mas parece sempre que a responsabilidade é do outro. Seja na identificação do culpado (o criminoso, o corrupto, o sociopata), seja na cobrança de ações (políticas públicas e aplicação da lei), o cidadão comum parece desonerado de dar sua contribuição além da exigência de que autoridades e responsáveis pelo cumprimento da legislação façam o seu dever. Como se trata de algo externo, o homem de bem se julga cumpridor de sua função social se fizer a sua parte (trabalhar, pagar impostos e participar dos momentos formais de exercício político, como eleições). Talvez a grande dificuldade em enfrentar o monstro da violência esteja nessa postura de expectativa, ainda que angustiada e sofrida, do jogo social de que todos fazemos parte. A violência não é algo exterior à sociedade brasileira, mas faz parte de seu coração, músculos e nervos. A definição de violência não pode s…

Artigos variados: vale a pena ler

Não consigo postar na mesma velocidade,intensidade e volume que leio. Fico, então, desejosa de passar adiante notícias, artigos ou apenas provocações interessantes. Resultado: apelei e resolvi listar links. Você seleciona o que vai ler e quando, combinado?


O médico diante da morte
http://epoca.globo.com/ideias/noticia/2015/06/os-limites-do-medico-diante-da-morte.html

Educação baseada em achismos, não em ciência
http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2015/06/1643231-educacao-e-baseada-em-achismos-nao-em-ciencia-diz-viviane-senna.shtml

Cacá Diegues, o direito das tribos
http://oglobo.globo.com/opiniao/o-direito-das-tribos-16435767

Redução da Maioridade Penal - Estamos nos Iludindo
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/asneiras/gd190702.htm

É histeria, não diminui a violência
http://www1.folha.uol.com.br/folha/dimenstein/asneiras/gd190702.htm

A maioria e a maioridade penal
http://www.crianca.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=264

Congresso em foco: maioridade penal
http://congres…

Guga poderia virar um assassino? - Gilberto Dimenstein

Dois jovens, quase a mesma idade, poucos meses de diferença, comoveram, na semana passada, o Brasil.
Um deles é branco, 23 anos, ganhou fama com uma raquete de tênis na mão. Outro, negro, 22 anos, ganhou fama com um revólver na mão.

Na segunda-feira, Gustavo Kuerten, o Guga, cercado de fãs, se deixava fotografar em frente à Torre Eiffel, com o troféu que levou no torneio de Roland Garros, que projetou-o para o primeiro lugar do ranking mundial _ e o deixou U$ 600 mil mais rico.
Naquele mesmo dia, Sandro do Nascimento, cercado de policiais, depois de um atabalhoado sequestro, era jogado num camburão, onde morreu sufocado _ ele queria R$ 1 mil.
Ambos foram acompanhados, minuto a minuto, em tempo real, seja na quadra de tênis ou no ônibus. Cada qual ficou em seu palco, quase quatro horas, conectados pela TV. Mas o suspense provocado pela raquete de 

Guga, nas quase 4 horas que precisou para derrotar o adversário, nos ensina sobre o que melhor podemos ser, graças à união da técnica, talento e…