Escrever - quem não tem medo?

FOSSE EVITÁVEL, tudo bem. Mas não é.
Redigir é necessidade quase diária, quando não, instrumento de trabalho.

Sabe aquelas aulas de português em que aprendemos - ou ignoramos solenemente - as subordinadas substantivas completivas nominais reduzidas de infinitivo ou verbos anômalos e as formas arrizotônicas? Claro que você não sabe e, com certeza, tem sobrevivido muito bem sem isso.

Cá fora, no mundo, o que a vida nos cobra é saber ler e escrever. Se valeu a pena, para chegar aí, passarmos por caminhos complicados, é assunto para uma outra conversa. No fundo, no fundo, o que todo mundo sabe é que quem domina o texto, lendo e escrevendo melhor, vai ter aquele emprego, aquela promoção, a indicação para o mestrado ou a garantia de vaga nos vestibulares e nos concursos. Tudo o que você queria!

Isso não é dom: é trabalho! Envolve técnicas e requer prática. Produzir bons textos é resultado de um curso ou, no mínimo, uma orientação específica. É também fruto de determinação e um desejo de mudar.Exige a aceitação de um processo contínuo que se aprimorará por toda a vida.

A boa notícia é que lidar com texto é muito bom: é uma experiência rica e doi muito menos do que você imagina. No final, você vai se espantar com a pessoa infinitamente melhor na qual você se tornou!

É isso que tenho visto nesses 30 anos ajudando a construir textos e pessoas. Aprendi que "querer" é um problema seu. O "como" é um problema meu.
Carinhosamente,
Melânia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O recado de Senna - Carlos Alberto di Franco

LYA LUFT: Medo e preconceito

Sobre eucaliptos e jequitibás - Rubem Alves