Calar e falar têm um preço




MUDEI DA CASA onde morei por dez anos para um pequeno espaço no terraço da casa de minha mãe. O desafio era construir uma cozinha e criar uma varanda sem matar o espetáculo do pôr-do-sol.
A imagem do que viria a ser a obra consolidava-se apenas na minha cabeça. Era hora de chamar o Zezé, pedreiro que atende à família. Era hora de partilhar a visão. É exatamente neste ponto de qualquer projeto que mora operigo.
Texto completo em: Aprendizes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O recado de Senna - Carlos Alberto di Franco

LYA LUFT: Medo e preconceito

Sobre eucaliptos e jequitibás - Rubem Alves